Empreendedorismo Feminino
Fonte: lookstudio em Freepik

O empreendedorismo feminino está em crescente evolução e segundo dados do Sebrae, 48% dos microempreendedores individuais (MEI) são representados por mulheres.

A primeira grande diferença entre o modo de empreender entre homens e mulheres, relaciona-se com a motivação para o início da marca: homens focam na sensação de liberdade, já as mulheres iniciam seu próprio negócio por necessidade.

Donas da sua própria marca, do seu próprio dinheiro e da sua própria história!

Conheça um pouco mais a respeito do empreendedorismo feminino.

Mulheres no ambiente corporativo

Muitos são os desafios enfrentados pelas mulheres no ambiente de trabalho, desde as dificuldades de contratação a salários desparelhos em mesmas funções.

Quando falamos a respeito das dificuldades para contratação, ocorre uma interferência social e machista, pois diversas empresas ainda possuem um pensamento retrogrado em relação à contratação feminina, onde situações como a maternidade, podem ser um empecilho. Tal fato é ignorado quando falamos a respeito de paternidade.

Além disso, muitas “normas” em relação à vestimenta/comportamento são impostas apenas para mulheres.

Segundo pesquisas do Instituto Patrícia Galvão, 40% das mulheres afirmam que já foram xingadas ou já ouviram gritos em ambiente de trabalho, enquanto 13% dos homens passaram pela situação.

Dentre outros dados discrepantes, 92% dos entrevistados percebem que mulheres passam por mais situações de assédio e constrangimento em ambiente de trabalho.

Quando o assunto é remuneração, infelizmente muitas mulheres que ocupam o mesmo cargo e realizam a mesma função que um homem, recebem um salário inferior.

Segundo a mesma pesquisa citada anteriormente, 34% das mulheres já passaram por essa situação, enquanto apenas 6% dos homens a relataram.

O que é empreendedorismo feminino?

Primeiramente vamos definir o conceito de empreendedorismo, segundo o SEBRAE: “Ser empreendedor significa ser um realizador, que produz novas ideias através da congruência entre criatividade e imaginação”.

Logo, o conceito de empreendedorismo está atrelado a pessoas que colocam em prática suas ideias e estão à frente do seu próprio negócio.

Porém, em relação ao empreendedorismo feminino, o significado vai muito além do óbvio. Torna-se um ato de resistência e de quebra de um movimento carregado de pré conceitos em relação a capacidade profissional da mulher.

Desafios das mulheres empreendedoras

Como em todas as questões envolvendo o universo feminino, empreender exige muita resiliência e traz diversos desafios.

Machismo estrutural

O machismo estrutural esta presente no dia a dia das mulheres. Esta “vertente” do machismo, trata de assuntos munidos de preconceito como se fossem coisas naturais e aceitáveis.

Tal fato prejudica o acesso a financiamento, por exemplo. Onde os critérios são extremamente rígidos para o público feminino, principalmente em casos onde as mulheres são solteiras e possuem filhos.

Jornada Múltipla

Segundo dados do IBGE, mulheres dispõem cerca de 21,4 horas semanais para afazeres domésticos. Enquanto isso, os números de horas semanais dedicadas pelos homens caem pela metade, em cerca de 11 horas.

Logo, as mulheres encontram maior dificuldade em relação a quantidade de atividades desempenhadas.

Empreendedoras e suas marcas de sucesso

Luiza Helena Trajano – Magazine Luiza

A história de sucesso no empreendedorismo feminino de Luiza Helena, carrega a garra de outra mulher empreendedora por trás, sua tia, Luiza Trajano.

Luiza Trajano foi a idealizadora da marca “Magazine Luiza”. A loja teve seu início quando ela decidiu investir no seu lado empreendedor e comprar uma pequena loja na cidade de Franca.

A loja começou a entrar em expansão, e em 1991 Luiza Helena recebeu a proposta de sua tia, para assumir a direção da rede Magazine Luiza.

Luiza Helena já havia passado por diversos cargos dentro da empresa, como vendedora, gerente, compradora.

Após assumir a direção da empresa, ela iniciou um processo de modernização da marca. Criou processos como o inicio de uma loja virtual, iniciou uma campanha de liquidação no mês de janeiro, e aliou-se ao Domingão do Faustão, oferecendo seus produtos para o quadro Caminhão do Faustão.

Luiza investiu muito na cultura interna da marca, promovendo programas de bonificação, reuniões todas as segundas-feiras para compartilhar as métricas da empresa e além disso, investiu em pautas sociais (como racismo, machismo), fortalecendo ainda mais o relacionamento marca e funcionário.

Cristina Junqueira – Nubank

Nascida em Ribeirão Preto (SP) em 1982, Cristina cursou Engenharia de Produção na USP.

Suas experiências profissionais foram voltadas ao mercado financeiro, onde inclusive trabalhou com Luiza Trajano, na elaboração do LuizaCred.

Cristina iniciou um trabalho na rede Itaú Unibanco, onde buscava entregar inovações. Porém, as ideias não eram aceitas.

Mais uma vez, as ações de uma mulher foram alvo de preconceitos, quais impediam a ascensão dela a cargos maiores.

Cansada dessa situação e com ambição para mais, Cristina tornou-se a co-fundadora do Nubank, em conjunto com Edward Wible, e o fundador David Vélez.

Cristina foi responsável por todo o conhecimento sobre a parte operacional, marketing e relação com o cliente.

Atualmente, ela é presidente da operação brasileira, e o Nubank é considerado um Unicórnio Nacional.

Dicas para empreendedoras

  1. Organização financeira

Sabemos que um dos pilares principais para o sucesso de um negócio, é a qualidade da gestão financeira.

Antes de tirar seu sonho do papel, realize uma cotação de gastos com a quantidade de capital que você possui. Desta maneira, conseguirá dar prioridade para os investimentos certos!

Após essa organização prévia, invista em alguma forma de organização financeira e verifique qual a melhor para o seu modo de trabalho.

Existem diferentes opções como: planner financeiro, planilhas, softwares e aplicativos com ótimos custos benefícios, vale a pena dar uma olhada!

  1. Registre sua marca

Diversos empreendedores pulam esta etapa e acabam tendo seus negócios prejudicados.

O registro de marca é a única maneira de obter os direitos de uso e comercialização da mesma.

O registro impede que outras pessoas utilizem/comercializem sua marca, assim como é proibido que você utilize uma marca já registrada anteriormente.

Desta maneira, invista em um nome original e exclusivo, entre com o pedido de registro de marca e proteja seu patrimônio.

Desta forma, sua marca será efetivamente sua e todos os direitos sob ela estarão assegurados.

  1. Invista nas mídias digitais

É nítido que atualmente a internet é o maior “shopping” do mundo. Independentemente do nicho escolhido para seu empreendimento, marque presença nas redes sociais!

Através das mesmas, você terá o poder de atingir pessoas de TODO o Brasil e até do mundo, por que não?

Estude seu público, conheça os gostos dele e verifique onde sua presença é maior! As opções de redes sociais são muitas, por exemplo:

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • Pinterest
  • Linkedin
  • TikTok

E dentro destas plataformas ainda existem diferentes formas de conteúdo e de atrair seu público!

No Instagram, por exemplo, você tem a opção de criar conteúdo nos Stories, no Feed, no Reels, e ainda consegue criar uma loja on-line diretamente na plataforma!

Além disso, invista em tráfego pago, para atrair cada vez mais pessoas correspondentes com seu público-alvo.

Conclusão

Existem diversos desafios e dificuldades dentro da área profissional de toda mulher, sejam essas sociais ou financeiras.

Muito provavelmente, resiliência é a palavra norteadora perante todos esses desafios, afinal, é necessário adaptar-se a todas essas novas situações diariamente.

Fique de olho na Rede Mulher Empreendedora e no Consulado da Mulher, ambas as organizações visam ajudar e auxiliar mulheres empreendedoras!

Em conclusão, você sabia que um levantamento feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) demonstrou que dentre as 451 empresas entrevistadas, 71% relataram ter um aumento de 5% a 15% na sua lucratividade, tendo mulheres nos tipos de cargos citados?

Sabemos que as dificuldades são muitas, mas o potencial feminino é maior ainda!

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais e envie para uma mulher empreendedora!